Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Coisas que...

Coisas que...

30
Jul17

[Vi] "Dunkirk"

Carla B.

dunkirk-poster.jpg

Visto aqui.

 

Costumo dizer que se há uma coisa em que os filmes ganham à vida real, é no facto de terem banda sonora. Bem, o Christopher Nolan mostrou-me como posso estar algo errada. Em "Dunkirk" a banda sonora sobrepõe-se de tal forma à acção e à representação que fiquei a ansiar pelo silêncio.

"Dunkirk" como filme de guerra é bastante bom, chega bem perto da parte inicial de "O Resgate do Soldado Ryan", que para mim é das melhores sequências de um filme de guerra, nomeadamente de um que mostra um episódio da 2.ª Guerra Mundial. As 3 linhas narrativas também me pareceram bem conseguidas, a mostrarem-nos a tensão na praia/pontão, constantemente em busca de uma forma de sobreviver enquanto se (des)espera pela evacuação; no mar, com uma série de pequenos barcos (e seus donos) a irem em auxílio das tropas cercadas em Dunquerque; e no ar, com pilotos a tentarem defraudar os ataques aéreos alemães.

Surpreendeu-me o filme não ter um herói, um protagonista definido, e contar com boas interpretações de praticamente todo o elenco, bastantes dos actores desconhecidos para mim. É certo que há algumas personagens que têm maior foco que outros, mas no geral as actuações são bastante conseguidas, levando a investir-mo-nos no futuro destas personagens. No entanto, começa também a ser demais ver constantemente os mesmos actores em papéis em tudo semelhantes, como o James D'Arcy, pelo que estava constantemente a lembrar-me do filme "Tempo de Heróis", que também vi recentemente (tem o Sean Bean, adivinhem o que lhe acontece...).

O senão foi mesmo a banda sonora. Esta segue surfe constantemente em crescendo e intromete-se de tal forma que distrai. Além disso tenta manipular as emoções quando não me parece ser necessário. Pareceu-me que o silêncio, nomeadamente na iminência dos ataques aéreos alemães, ou o som próprio da guerra, seriam suficientes para imergir o espectador no filme, sendo que a banda sonora relembra constantemente que estamos a ver um filme.

Também me pareceu um pouco longo, sobretudo a meio, sendo que por diversas vezes a minha mente andava distraída do filme.

26
Jul17

[Desafiam] Book Bingo | Leituras ao Sol - Actualização #1

Carla B.

Passando pouco mais de um mês desde o início deste desafio, achei por bem fazer uma atualização até porque, como sempre acontece, até posso ter planos mas nunca os respeito! Neste caso, comecei por pegar em livros e categorias que não tinha ainda decidido ler, contrariando a listagem que havia feito aqui.

No entanto, a coisa está a correr muito bem (demasiado bem ), veja-se o estado do cartão neste momento:

BookBingo_LeiturasAoSol-1.png

Encontram-se preenchidas as categorias:

 

Capa que te lembre o verão

 

Para desanuviar e fazer jus ao tempo que faz lá fora, comecei um romance contemporâneo bastante leve. A história de Sweet Contradiction não é nada de especial - rapariga de cidade pequena e com pais conservadores, regressa à cidade natal depois de anos fora e encontra o amor da sua vida - mas a química entre as personagens e alguns dos seus dramas (nomeadamente a perda de alguém) foram suficientes para me manterem interessada no que estaria reservado para as personagens.

Passado num continente diferente

 

Podia ter sido tão mais inventiva nesta categoria mas, depois de ter ficado tão agradada com Sweet Contradiction, senti a necessidade de continuar a 'série' e saber o que aconteceria com outras duas personagens. Achei Perfect Contradiction menos conseguido, a história pareceu-me muito mais forçada, a química inexistente e a voz interior da personagem feminina em pouco se diferenciava da do livro anterior, de tal modo que em diversos momentos, quando ambas estavam juntas, esquecia-me qual delas é que estava a seguir.

Adaptado TV/Cinema

 

Trouxe este livro da biblioteca por impulso e não me arrependo. Havia já bastante tempo que havia visto o filme "As Cinzas de Ângela", de que gostei bastante e, desde então que dizia para mim que leria o livro. Lembrava-me apenas de que a história era triste e de que havia muita miséria, e realmente assim acontece, ainda que tudo nos seja relatado com a inocência e esperança de uma criança. No entanto, quando chega aos 14/16 anos, o mesmo tom inocente já não funciona tão bem. Não sei até que ponto estas memórias do autor serão verdadeiras, mas sem dúvida de que aconselho que lhe dêem uma hipótese. Ou ao filme...

Recomendado

 

Já falei sobre Os viajantes e o 'livro dos museus'  aqui.

Emprestado

 

Também já falei sobre Viver e resistir no tempo de Salazar. Histórias de vida contadas na primeira pessoa no mesmo post acima.

Ainda não há linhas feitas mas o que estou a ler de momento pode ser colocado ali no "género preferido" pelo que pode não faltar muito...

24
Jul17

[Desafiam] 24 in 48 Readathon

Carla B.

Depois de me ter corrido bastante bem a primeira experiência nesta maratona literária, voltando ela a ocorrer não podia deixar passá-la.

Desta vez o objectivo era simplesmente ler. Tendo em conta que foi o primeiro fim-de-semana completo que tive em Julho, sabia que não passaria grande parte do tempo a ler, porque teria outras coisas para fazer, como pôr o Youtube e o Feedly em dia (alas, ainda não foi desta...), ou vegetar em frente da televisão.

Propus-me então a ler dois livros, que tinha de devolver esta semana à biblioteca, mas pasme-se, li mais do que estava à espera! No total li cerca de 12 horas, acabei dois livros, um deles lido integralmente durante a maratona, li 18% de um e-book e cerca de 120 páginas de The Eyre Affair do Jasper Fforde.


Para mim foi um sucesso! Venha a próxima!

Sobre os livros em si...

Comecei por pegar em Os viajantes e o 'livro dos museus' de João Carlos Brigola, que me havia sido recomendado num seminário do curso de mestrado. Tinha tudo para eu gostar, já que se trata da selecção de escritos epistolares e de diários de viagem, estilos que aprecio bastante, que se debruçam sobre colecções e museus em Portugal nos séculos XVIII e XIX. No entanto, e apesar de conhecer bastante das mesmas colecções e museus retratados, sinto que poderia ter sido dado o contexto dos mesmos, apresentando não os escritos de forma cronológica mas de acordo com o objecto da descrição. Assim, acaba por ser interessante por mostrar como que uma evolução geral da museologia em Portugal, mas os detalhes de cada instituição/colecção acabam por se perder. É sem dúvida uma leitura para quem já conhece o panorama e não para quem procura uma primeira abordagem.

Seguiu-se Viver e resistir no tempo de Salazar. Histórias de vida contadas na primeira pessoa, por Maria Alice Samara e Raquel Pereira Henriques. O livro divide-se em duas partes - "viver" e "resistir" - e conta com excertos de entrevistas levadas a cabo pelas autoras a 20 pessoas, algumas delas bem conhecidas dos meios políticos e sociais, que dão a conhecer como foi viver durante o período de ditadura fascista. Confesso que me interessou mais a primeira parte, em que revi muito do que oiço a minha avó e outras pessoas da sua faixa etária contarem, nomeadamente no que ao quotidiano diz respeito, mas a segunda parte também tem o seu interesse, mais não seja por manter viva a memória de um tempo de resistência, e de como essa resistência leva a mudanças. Este sim, parece-me ser bastante útil para quem pretende iniciar um estudo sobre a época. Tinha algum receio que fosse maçudo mas não, pelo contrário é bastante acessível, muito coloquial e dinâmico, quase que como um ouvir contar histórias.

Quanto ao e-book, tenho de confessar que desisti aos 18%. At Any Price de Brenna Aubrey foi a escolha para o Vaginal Fantasy do mês de Julho e, estando disponível na loja da Amazon para o Kindle (apesar de o meu ter falecido... paz à sua alma...), bem como querendo eu ouvir falar de livros (tenho saudades do SLNB ), achei que poderia aproveitar. No entanto, em cerca de hora e meia revirei tanto os olhos (que até pensei que poderia vir a fazer um drinking game bebendo cada vez que aparecia uma situação de fazer revirar os olhinhos) que fui espreitar o tópico de discussão (link tem spoilers) no grupo do Goodreads, para ver o que me esperava. Vendo pessoas com os mesmos problemas que eu estava a ter com o livro e spoilando-me para ver se o resto valia a pena, resolvi ficar por ali.

Assim, passei para a escolha de livro alternativa do mesmo grupo, e até agora estou a gostar bastante.

14
Jul17

[Oiço] British Museum Podcast

Carla B.

Como disse antes, felizmente no meu trabalho posso ir ouvindo alguma coisas, possibilitando que coloque a leitura em dia e me encontre informada sobre os mais variados temas. Aqui há uns tempos, quando coloquei todos os podcasts em dia, andei à procura de outros em que me viciar e que, por diversas vicissitudes, só agora ocorreu ouvir.

Um destes casos é o podcast do British Museum.

Tenho de confessar algumas coisas. Primeiro, o meu sonho era trabalhar no British Museum, nem que fosse a limpar vitrines. Segundo, não podendo concretizar tal sonho, sigo o British Museum em todas as plataformas possíveis e imagináveis, e admiro o brilhante trabalho que fazem na comunicação com o público, pelo que havendo possibilidade de copiar as ideias, não hesito! Terceiro, apesar de já ter ido a Londres não visitei o mesmo, algo que lamento quase todos os dias. Mas não faltarão outras oportunidades.

Portanto, tendo acabado mais uma leitura em áudio-livro e vendo a lista de podcasts a crescer, esta semana voltei a estes e eis que chego ao do British Museum, com o interessante título "The Suicide Exhibition".

Trabalhando e mais recentemente estudando museus, tenho vindo a constatar que muitas vezes o mais interessante acaba por ser, não as colecções, mas as histórias da própria instituição, sobretudo a pequena história - o quotidiano das mesmas. Infelizmente este ponto acaba por ser o que é menos visível nestas instituições culturais, e talvez por isso tanta gente não perceber qual a sua utilidade. O British Museum parece-me desenvolver um extraordinário trabalho em trazer à luz este dia-a-dia, com a partilha, por exemplo, de episódios que mostram o processo de conservação de um objecto ou partilhando histórias dos seus arquivos.

No caso do primeiro tema do podcast, que se encontra desenvolvido em dois episódios, é revisitado o período que antecedeu a entrada da Segunda Guerra Mundial e as medidas tomadas para retirar todo o acervo relevante do museu para que não se perdessem obras de valor inestimável, entrando depois pela guerra adiante e dando conta de que o museu permaneceu aberto com cópias mas também com peças originais, a "coleção suicida" que sendo composta sobretudo por peças duplicadas (peças de que há vários exemplares semelhantes e/ou com a mesma função) que se poderiam "sacrificar".

Ainda hoje o tema da desafectação de bens culturais causa algum incómodo porque "tudo interessa" para contar História, para retratar um determinado momento de uma história, no entanto a escolha de peças nunca é tomado de ânimo leve e penso que este episódio ilustra bem todo o cuidado colocado na gestão e conservação de bens culturais, para que possam ser usufruídos por gerações vindouras, o que de resto é a função de um museu.

E para quem gosta, há também um episódio sobre gatos! Ainda não ouvi mas só o artigo que acompanha vale a pena.

10
Jul17

[Ouvi/Li] "Sacred Hearts" de Sarah Dunant

Carla B.

6676815.jpg

Retirada daqui.


Ena pá, é o segundo áudio-livro que oiço em muito tempo! Felizmente o trabalho permite-me que vá ouvindo coisas e após colocar os podcasts em dia (que entretanto voltaram a deixar de estar) lá parti para mais um livro desta autora que me conquistou com o seu O Nascimento de Vénus. E eis que me volta a conquistar, desta vez com o retrato da vida num convento feminino em Ferrara, no séc. XVI.

A descrição do dia-a-dia pareceu-me muito bem caracterizado, assim como o espaço que nunca se torna opressivo. Nunca temos vislumbres da cidade fora das 4 paredes do convento mas estas nunca parecem totalmente intransponíveis, sendo que a vida laica entra em determinados momentos no convento. Também parece existir uma certa aura de misticismo sem que a religião domine o livro. É sem dúvida das partes mais importantes deste romance, no entanto, o ponto forte desta história será sem dúvida as personagens e os laços que as unem. Destaca-se a amizade, ou melhor o entendimento entre Serafina e Zuana, que muito se parece com a relação de uma pupila e a sua mestre, sendo que a impetuosidade e vida de uma complementa a complacência e certa resignação da outra.

Serafina é mandada para o convento de Santa Caterina por a sua família não possuir dinheiro para dois dotes de casamento para as suas filhas e por se relacionar de forma amorosa com o músico da família. É claro que é mandada a contragosto e é Zuana, a freira que tem a seu cargo o dispensário e que cuida da saúde física das restantes irmãs, que a tenta ajudar a encontrar o seu caminho.

Foi interessante ver como um espaço fechado, com regras rígidas a reger toda a vida e mesmo o horário destas freiras, podia acabar por ser um espaço de liberdade, onde mulheres podiam seguir a sua inclinação pessoal para o estudo ou gerência. As conversas entre Zuana e Madonna Chiara eram bastante interessantes neste aspecto, sobretudo dando a perceber os efeitos da Contra-Reforma num lugar (refúgio?) como este. É sobretudo neste ponto que a religião mais salta à vista e até ligada à política, não só devido às facções no interior do convento, mas por vermos também como a sociedade entra nos conventos, pequenos pontos de poder onde também as grandes famílias que dominavam o comércio, política e arte se pretendiam imiscuir.

É a meu ver um excelente retrato e uma belíssima história. A narradora faz também um trabalho notável, dotando cada personagem de uma voz e força distinta.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D